Início Conselho Brasileiro de Oftalmologia








24 usuário(s) online



Busca  
Login  






6/2/2009
Dor nos olhos: causas, sintomas, diagnósticos e tratamento

Quase todos sofrem de dor nos olhos em algum ponto da vida. Esta condição, em alguns casos, pode ser curada pelo próprio olho, sem nenhuma intervenção. Já em outras situações, pode ser um sinal de algo mais grave. Nesta matéria, o Portal da Oftalmologia aponta algumas causas diferentes de dor nos olhos, seus sintomas e possíveis tratamentos.

O que causa dor nos olhos?

Uma sensação de incômodo ou dor no olho podem ser conseqüência de algum problema no próprio globo ocular. Ou então, esta dor pode ser causada por problemas nas estruturas que envolvem o olho.

• Córnea -- É a parte anterior transparente e protetora do olho. Fica localizada na região anterior do globo ocular. A córnea e o cristalino têm a função de focar a luz através da pupila para a retina, como se fosse uma lente fixa;

• Conjuntiva -- É uma membrana mucosa presente nos olhos que reveste a parte interna da pálpebra e a superfície exposta da esclera (o branco do olho), revestindo igualmente a parte posterior da pálpebra que se prolonga para trás para recobrir a esclera. A conjuntiva ajuda a proteger o olho de corpos estranhos e infecções;

• Íris – É a parte mais visível e colorida do olho. Existe um orifício em seu centro, chamado de puplila, cuja função é controlar a quantidade de luz que entra no olho;

• Órbita ou globo – É a esfera do olho;

• Músculos do olho (Músculos extraoculares) – São responsáveis por executar os movimentos dos olhos;

• Nervos – São encarregados de levar as informações dos olhos para o cérebro;

• Pálpebras – São aquelas estruturas que protegem e estão continuamente friccionadas contra os olhos.

Os problemas podem ser:

• Abrasões cornenas – A córnea é vulnerável aos ferimentos que podem ser causados pelos dedos, galhos de plantas e árvores, bolas de tênis e outros. A desepitelização da córnea é chamada de abrasão e pode ser muito dolorosa;

• Infecções na córnea – A córnea também pode inflamar ou infeccionar, o nome desta doença é ceratoconjuntivite. O herpes zoster, que é causado pelo mesmo vírus da catapora, também pode atingir a córnea;

• Conjuntivite – É uma inflamação da conjuntiva ocular, membrana transparente e fina que reveste a parte da frente do globo ocular (o branco dos olhos) e o interior das pálpebras. Em geral, ataca os dois olhos, pode durar de uma semana a 15 dias e não costuma deixar seqüelas. Durante a ação da doença, os olhos ficam vermelhos, irritados e lacrimejando muito.

• Blefarite – É uma inflamação comum e persistente das pálpebras. Produz sintomas como irritação, prurido e, em alguns casos, olho vermelho. Esta doença afeta frequentemente as pessoas que têm tendência a apresentar pele oleosa, seborréia (caspa) e secura ocular. A blefarite pode começar na infância, causando granulação nas pálpebras e continuar por toda a vida como uma afecção crônica, ou iniciar apenas na fase adulta;

• Hordéolo – Também conhecido popularmente como terçol, terçolho, treçolho ou viúvo, é um pequeno abscesso que ocorre na borda das pálpebras causado pela inflamação de glândulas sebáceas. O hordéolo não comporta nenhuma gravidade especial, mas pode ser muito doloroso. A inflamação normalmente é causada por uma infecção bacteriana e ocorre com muito mais freqüência em crianças. Na maioria das vezes, o hordéolo pode ser combatido mais rapidamente com a aplicação de compressas embebidas em água quente ou morna. Quando tratados, os hordéolos desaparecem em cerca de uma semana. Em casos mais graves, os médicos geralmente utilizam uma agulha para drenar o pus acumulado. Existem também pomadas elaboradas especificamente para tratar os hordéolos, normalmente compostas por eritromicina;

• Corpos estranhos – Às vezes há realmente alguma coisa no olho, um pouco de sujeira, poeira, fragmentos de plantas, ou um pedaço de lente de contato. Os corpos estranhos são, geralmente, irritantes, e lágrimas ou água podem retirá-los. Se não forem removidos, os corpos estranhos podem causar abrasões nas córneas;

• Glaucoma – É a designação genérica de um grupo de doenças que atingem o nervo ótico e envolvem a perda de células ganglionares da retina. A pressão intraocular elevada é um fator de risco significativo para o desenvolvimento de glaucoma, não existindo contudo uma relação causal direta entre um determinado valor da pressão intraocular e o aparecimento da doença. Se não for tratado o glaucoma leva ao dano permanente do disco óptico da retina, causando uma diminuição progressiva do campo visual, que pode resultar em cegueira;

• Irite – É a inflamação da íris, a parte colorida do olho. A íris é uma membrana delicada, que determina, por sua capacidade de dilatar-se ou contrair-se, a quantidade de luz que passa através da pupila. Caracterizada pela perda de coloração, contração da pupila, dor e fotofobia. A irite pode resultar de várias causas, como uma pancada no olho. Pode também associar-se a doenças como varicela (catapora), caxumba, artrite reumatóide, tuberculose, hanseníase e diabetes . A irite também pode acompanhar uma inflamação de outras partes do olho;

• Neurite Ótica (ou neurite retrobulbar) – É a inflamação do nervo ótico que pode causar perda completa ou parcial da visão;

• Sinusite – Esta doença pode causar “pressão” entre os olhos, causando dores em ambos.

Fonte: WebMD




           


<< Anterior Índice Próximo >>


Mais Recentes:
07/10/09 - 64% dos cegos do mundo são mulheres
07/10/09 - Diagnóstico precoce é essencial para evitar as doenças da visão
06/10/09 - Lentes de contato: mitos e descuidos que valem os olhos da cara
05/10/09 - Exercício físico é benéfico para pessoas com glaucoma
02/10/09 - Macacos daltônicos voltam a perceber as cores em tratamento


As opiniões expressas no texto acima são de responsabilidade exclusiva dos seus autores.